segunda-feira, 24 de março de 2014

Choque Cardiogênico

O choque cardiogênico ocorre quando a capacidade do coração para se contrair e bombear o sangue se mostra comprometida e o suprimento de oxigênio é inadequado para o coração e para os tecidos. As causas do choque cardiogênico são conhecidas como coronárias e ou não coronárias. O choque cardiogênico coronário é mais comum que o choque cardiogênico não coronário, sendo observado com maior frequência nos pacientes com IAM, resultando em lesão para uma porção significativa do ventrículo esquerdo. Os pacientes que apresentam IAM da parede anterior, estão em maior risco para o choque cardiogênico por causa da lesão potencialmente extensa para o ventrículo esquerdo causada pela oclusão da artéria coronária descendente anterior esquerda. E as causas não coronárias estão relacionadas com as condições que estressa, o miocárdio como por exemplo: hipoxemia grave, hipoglicemia, hipocalemia, pneumotórax hipertensivo...

No choque cardiogênico o débito cardíaco mostra-se comprometido. Quando o volume sistólico e a frequência cardíaca diminuem ou se tornam crítica, a PA cai e a perfusão tecidual é reduzida. Há inadequação do aporte sanguíneo para os tecidos e órgãos e para o próprio coração, comprometendo a capacidade de bombeamento (não ejetando totalmente o sangue durante a sístole) e assim o líquido começa a se acumular nos pulmões.

Os pacientes em choque cardiogênico podem apresentar: dor da angina, arritmias, fadiga, sentimento de morte iminente e sinais de instabilidade hemodinâmica. O seu tratamento clínico consiste em limitar a lesão miocárdica adicional e preservar o miocárdio saudável, além de melhorar a função cardíaca aumentando a contratilidade e/ou diminuindo a pós-carga ventricular.

Fonte: Smeltzer SC, Bare BG, Hinkle JL, Cheever HK. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 12ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011.

Clique na foto Rio Enfermagem no Facebook ao final do "post" e faça parte do grupo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário